domingo, 25 de novembro de 2012

Foi Assim que Cheguei na IURD.Capítulo Final

No mesmo dia antes de dormir falei com Deus,a minha oração a Ele foi simples,eu perguntei a Deus o porquê daquele rapaz morrer assim.Com lágrimas nos olhos e silêncio,Ele me respondeu"O sangue derramado daquele rapaz,não será cobrado de vós."Aquela palavra me levantou,tirou um peso da minha costa,me levantei e segui em frente,porque mais almas precisavam ser salvas.

Me alonguei muito nos capítulos anteriores a esse caso,porque foi um fato que marcou muito a minha vida na época,foi algo que me fez aprender muito a valorizar a vida e ter consciência da salvação.Depois desse caso eu me lancei de uma forma no altar,que tudo aconteceu muito rápido na minha vida.Em 2007 me libertei e me batizei nas águas,no meio do mesmo ano fui batizado com o Espírito Santo,como já estava evangelizando,o Senhor Jesus me chamou para a Sua grande e magnífica obra.Fazia aula de candidato a obreiro no Brás mas devido ter mudado de São Paulo para a Baixada Santista,o Senhor Jesus me levantou obreiro lá,em meados de 2008,ali eu fiz a obra de todo o meu coração.Fui refinado pelo fogo daquela obra,me "jogava" de corpo,alma e espírito naquilo que Deus me pedia,era um verdadeiro soldado a "serviço" de cristo,pronto apenas para morrer pela obra de Deus  e matar a cada dia as tentações da carne.

Foram 2 anos naquele lugar,até que em 2010 retornei para a catedral do Brás e lá estou até hoje,na mesma fé.Os problemas agora parecem ser maiores,mas a perseverança trouxe amadurecimento e de imediato o fogo do Deus vivo! O tempo vai passando e a minha fé no Senhor Jesus vai se renovando,o tempo tem sido meu amigo,porque tem mostrado quem realmente eu sou...e até aqui posso lhe dizer com toda certeza,eu nasce de Deus!Nada tem me parado na fé,na IURD tenho aprendido a manifesta a minha fé constantemente.

A IURD tem sido a minha mãe espiritual,foi ela quem me amparou na hora mais cruel da minha vida,a ela eu sempre terei  um enorme amor e gratidão,por isso nunca vou abandona-lá,pode alguém abandonar a própria mãe?não,o verdadeiro filho não abandona! O Senhor Jesus é o primeiro,mas a IURD vem depois,o que seria de mim se o Senhor Jesus não levantasse  um homem revoltado como o bispo Macedo,capaz de largar tudo por um chamado,tudo por essa obra,tudo por amor ao evangelho de Cristo.

E hoje no último capítulo,estamos em meio a uma Fogueira Santa de Israel,o maior propósito de fé da IURD.Propósito esse que também mudou a minha história,mas ai eu só te conto depois de viver essa fogueira...porque ai o meu testemunho será extraordinário!

"Existe vitória com lutas,mas não existe transformação sem sacrífico." 

Obr. Marcio




quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Foi Assim que Cheguei na IURD.Parte 6 de 7

A semana passou rápida,quando  vi já estava  na frente do portão  do rapaz novamente.Daquela tarde de domingo passado  para a quinta-feira á noite do núcleo...foi um "pulo".

Mais uma quinta-feira de núcleo,a noite estava muito boa,não estava frio e o vento bem suave fazia anoite estar bem gostosa,muitos casais passeavam e conversavam em frente de suas casas,nos dando a oportunidade de convidá-los para participar do núcleo de oração,porque não?
Fomos divididos em duplas e os evangelistas não perderam tempo em convidar os casais por ali.Eu no entanto,já sai na direção da casa do rapaz,afinal de contas,ele havia prometido que iria para o núcleo naquela quinta-feira.Bati palmas durante algum tempo,mas ninguém respondeu,depois de muito insistir saiu uma senhora lá dos fundos da pensão,sim,era a mesma senhora que havia gritado no domingo passado e ficado espantada com o que havia acontecido anteriormente(se você está acompanhando a história você deve saber com o que ela gritou e porque ficou espantada).

Enquanto ela caminhava,eu notei que ela balançava a cabeça negativamente e ao se aproximar do portão sem o abrir disse"O rapaz saiu desde cedo e não chegou ainda".Fiquei triste,mas com a esperança dele aparecer a qualquer momento,já que a senhora tinha falado que ele havia saído logo cedo.A senhora não estava mais desconfiada com agente como antes,ela pediu uma oração e nós a convidamos para participar do núcleo,nós então nos apressamos em direção ao núcleo porque ouvíamos as palmas e o povo cantando de longe...corremos!!!

O núcleo estava cheio de pessoas novas,eu estava muito feliz com as pessoas que estavam ali buscando a Deus,mas a todo momento eu pensava naquele rapaz,parecia que estava faltando alguma coisa,estava mesmo,faltava uma alma muito importante para Deus.
O núcleo acabou,as pessoas foram embora e nós como de costume fizemos uma roda de oração entre obreiros e evangelistas,sempre fazíamos isso no final de cada núcleo,o pastor ou obreiro responsável puxava a oração e cada um orava por as pessoas que ali estiveram e para aquelas que não puderam estar presentes.Eu orei por aquele rapaz,a minha oração era de proteção e de misericórdia,eu sabia que se ele não tinha vindo ao núcleo é porque estava de repente passando por algum problema e Deus tinha que intervir,eu acreditava,a minha oração tinha que funcionar.

No domingo a tarde retornei a casa do rapaz,queria vê-lo logo,queria falar de Jesus para ele e da falta que ele fez naquele núcleo.O portão estava aberto e na frente dele a senhora que morava ao fundo da pensão.Não era normal o portão está aberto por causa do entra e sai  constante de pessoas.A  senhora me viu,o seu olhar demonstrava algo de errado,ela sem titubear me disse"O rapaz foi atropelado obreiro,naquela quinta-feira passada,na parte da tarde,segundo alguns familiares de longe que ele tinha e que o velaram".Foi um choque pra mim,"o meu ministério já começou bem ruim,pensava  comigo".
Mas não! aquela morte me traria vida,mas como?como pode alguém morrer e trazer vida?e alma daquele rapaz,para onde foi?

Perguntas que precisavam ser respondidas,eu tinha lido que Deus falava com moisés face a face,do mesmo jeito que eu falei com aquele rapaz.Era isso que Deus tinha que fazer,me responder "direitinho",face a face o que havia acontecido,eu estava revoltado,naquele momento posso afirmar que o Espírito da IURD nasceu em mim, não podia aceitar perder aquela alma...."e agora Jesus,o que faço?"

Continua...

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Foi Assim que Cheguei na IURD.Parte 5 de 7

Um rapaz de mais ou menos 30 anos de idade,abriu o portão para nós evangelizarmos,o lugar era como se fosse uma pensão e o portão que tinha acabado de ser aberto,era o portão principal.Eu nem imaginava que estava a um passo de tomar uma atitude rápida e decisiva...

Eu estava acompanhado de uma evangelista,éramos orientados á estarmos sempre em dupla,geralmente um homem e uma mulher,para ficar mais fácil a evangelização de ambos os sexos e em qualquer situação adversa nós teríamos uma testemunha ,porquê isso?porque estávamos evangelizando pessoas,mas sabíamos que no campo espiritual,nós estávamos"mexendo" com forças espirituais do mal ao  falarmos  de Jesus para outras pessoas,sendo assim,não poderíamos"vacilar",era guerra e nessa guerra espiritual o nosso adversário,o diabo,não brinca!muito menos agente estávamos ali  para brincadeira.
A evangelista ao meu lado assim que o rapaz abriu o portão entrou de imediato na pensão,ele conhecia bem aquele lugar e eu aproveitei a ocasião para evangelizar o rapaz que tinha acabado de abrir o portão.Ele aceitou o jornal e eu comecei a falar de Jesus para ele,disse a ele do  núcleo de oração que fazíamos bem ali em um posto de gasolina desativado,perto de sua residência.Falei também que nós tínhamos uma"Van"(um tipo de micro ônibus) que levava as pessoas aos Domingos de manhã a igreja e retornava com elas logo após o culto terminar ,tudo isso de forma gratuita.

Eu falava com ele,ele me ouvia e acenava positivamente com a cabeça,olhar triste,disse que não podia ir aos domingos a igreja,somente participaria do núcleo de oração ás quinta-feira á noite.Notei que uma senhora olhava agente de longe,quase na última casa da pensão,não liguei muito e logo apertei a mão do rapaz confirmando o que ele tinha acabado de me dizer.Pra minha surpresa,no momento em que apertei a sua mão, o rapaz  se lançou  ao chão e começou a se debater,a mulher que estava ao fundo veio correndo e gritou"Ele tem ataque epilético sempre,vamos!puxe a língua dele se não ele vai morre!" dizia a mulher assustada e bastante ofegante.Ao me abaixar para ajudá-lo,eu vi que sua boca espumava muito,mas não foi isso que chamou atenção,foi o fato de ver as mão dele tortas e na posição como se fossem garras,aquilo me intrigou,não era a primeira vez que eu presenciava alguém com as mãos daquele jeito.

Me lembrei vagarosamente das reuniões de libertação na IURD e de como as pessoas manifestavam com demônios.Tudo isso aconteceu em questão de minutos e aquela senhora não para de gritar para eu puxar a língua do rapaz,isso era e é costume de muitas pessoas ao ver alguém tendo estes tipos de"ataque epilético".Então por mais que ela gritasse,ela não me convencia de uma certeza que eu tinha  ao ver ás mãos daquele rapaz daquele jeito,aquilo não era ataque e sim uma manifestação demoníaca,puxar a língua não resolveria,mas...usar a fé no Deus que eu servia era a solução e ocasião do momento.Rapidamente me lembrei da autoridade dos pastores e obreiros da IURD e da revolta que tinham contra aqueles demônios...então...como um raio,fui pra cima daquele espírito e com autoridade,eu disse com toda minha fé"espírito maligno,em nome do meu Senhor Jesus...sai!!!"
O rapaz imediatamente parou de se debater e suas mãos voltaram ao estado normal,o rapaz assustado parecia nem saber onde estava,a mulher que estava gritando,parou de gritar e estava perplexa,não mais do que eu,que fiquei alguns segundos ainda baixado e  paralisado,com ar de quem não acreditava no que tinha acabado de acontecer.
Eu havia acabado de libertar uma pessoa,claro que eu não poderia ter feito aquilo,eu teria que chamar um obreiro,um pastor mas...ali só estava eu e o Espírito Santo,eu tinha que ser rápido,não tinha tempo para pedir ajuda,essa ajuda tinha que vir do Alto e veio na hora certa!!!

Me levantei e olhei para o rapaz,ele parecia estar  bem,pelo menos melhor que a mulher ao lado,ainda assustada.Disse a ele que o buscaria  na próxima quinta-feira,para irmos ao núcleo de oração,ele estendeu a mão e disse"Nós iremos".A mulher ao lado parecia estar melhor do que tinha visto e começou a agradecer o que"nós"fizemos a ele,mas eu disse"não fui eu,e apontado para cima disse,foi Ele,o Senhor Jesus quem fez!"A evangelista saiu com mais algumas pessoas para fora e o comentário foi se espalhando...e nós...nos retiramos.

Eu estava calado e pensando em tudo aquilo,enquanto caminhava eu pensava no quão prazeroso era salvar uma alma,aquilo começou a me encher de alegria,mas aquela alegria,pelo menos aquela alegria que eu tive ao ajudar aquele rapaz,seria passageira,bem passageira...

Continua... 

domingo, 18 de novembro de 2012

Foi Assim que Cheguei na IURD.Parte 4 de 7

Notei no dia seguinte que o meu comportamento,ou seja,a forma com que eu enxergava as coisas tinha mudado.Foi ai que percebi uma coisa,eu havia me convertido,precisava me batizar,a minha carne e os velhos hábitos tinham  que ser sepultados...e para sempre!

Parei,sentei em minha cama,na época ainda solteiro,percebi que  estava passando por um processo em minha vida.No primeiro momento eu fui a igreja devido a uma série de problemas interiores que eu tinha,depois fui mais constantemente a igreja para aprender e conhecer mais esse Jesus que todos falavam.Só que nesse processo,houve uma mudança dentro de mim,houve uma conversão e o que é conversão? conversão é mudança de pensamento e de comportamento.Conversão não tem nada a ver com fanatismo ou andar com a bíblia debaixo do braço 24 horas por dia,Não! Conversão é mudar o seu trajeto e andar na direção contrária desse mundo,ou seja,o mundo vai pras baladas da vida,orgias e coisas que contrariam a palavra de Deus,mais você não!O mundo  tem o pensamento de que trair é normal,beber álcool e usar drogas é normal,masturbação e ficar com várias pessoas é simplesmente normal,mais você não pensa mais assim,ou seja,o seu comportamento e pensamento diante do mundo é totalmente anormal para as pessoas,você obtêm o caráter de Deus,você pensa e anda como Ele andou...isso é conversão,eu havia me convertido. 

Então eu pensava 24 horas em como selar de vez esse meu compromisso com Deus,eu não queria namorar com Deus,eu queria casar-se com Ele para sempre,sem volta,sem"divórcio".Foi ai que eu tive a oportunidade de entender o que era o batismo,coisa que muitas pessoas não entendem até hoje.O batismo é o sepultamento da carne,quer dizer,tudo que você fazia de errado antes,você passa a não fazer mais,mais ai vem uma questão pouca observada pelas pessoas,como você vai se batizar e não viver mais no erro se você não se libertar e entender o que é salvação da alma?Por isso que você vê as pessoas se batizando e logo depois cometendo os mesmos ou piores pecados que outrora cometeram,por que apenas descem ás águas para se arrepender,quando na verdade devem se arrepender dos seus pecados e depois confirmar com o batismo nas águas tal arrependimento.Foi isso que aconteceu comigo,depois de me libertar,de entender e me arrepender dos meus pecados,eu me batizei,houve ali uma confirmação de arrependimento.
Claro,tem situações e isso acontece muito na igreja,que as pessoas chegam a  conversão totalmente diferente de como eu cheguei,eu não quero dizer que a maneira certa e correta foi a experiência que eu tive,de maneira nenhuma,a casos de conversão e libertação muito diferentes do meu e não necessariamente tem que ser na ordem que eu estou contando,essa é a minha experiência e experiência com Deus...cada um tem a sua.

Depois do batismo nas águas,eu finalmente tinha me"jogado" no altar de Deus,tudo parecia novo pra mim,uma outra visão,um outro pensamento,uma nova expectativa de vida.Fui convidado a entrar em um grupo de evangelismo da igreja,os obreiros responsáveis por esse grupo me convidavam constantemente ao me ver,então,já na fé que estava dentro de mim e aliado á aquele convite,entrei,entrei com toda força e de todo meu coração.As nossas visitas semanalmente nos bairros adjacentes eram maravilhosas, ajudávamos ás  pessoas carentes,não só carentes de amor e carinho,mas carentes de coisas básicas,como higiene e moradia.Eu não sabia muito como"chegar"nas pessoas  para falar de Jesus,mas a minha vontade de ganhar aquelas almas,era maior do que tudo que me acanhava.Os obreiros me ajudavam e auxiliavam no que eu precisava,foi assim durante todo o tempo em que eu estava evangelizando,sempre os obreiros estavam comigo,me observando e cuidando de mim.

Em uma dessas visitas aos bairros de São Paulo,algo repentino aconteceu comigo,como em um filme de ação,onde eu era o"ator" principal.Mas esse filme não era fictício,era real,muito real e essa realidade estava ali,diante de mim,o"ator" principal tinha que agir rápido,porque estava em risco uma vida,uma alma...e quanto vale uma alma?

Continua....  

sábado, 17 de novembro de 2012

Foi Assim que Cheguei na IURD.Parte 3 de 7

Bastou uma reunião intitulada como "Jejum das Causas Impossíveis" ministrada pelo então pastor Cristian,para que eu me libertasse de todo sofrimento.Naquela reunião eu não manifestei com demônios como muitas pessoas que ali estavam ou que geralmente chegam até a igreja,mas eu lembro que passava muito mal...mas muito mau mesmo.

Durante as reuniões,as dores de cabeça eram muito fortes,parecia que minha cabeça iria explodir,meu corpo  suava muito,minhas pernas tremiam e a voz do pastor clamando por libertação me causava medo.Depois a cada reunião eu ficava cada vez melhor e os sintomas sumiam a cada oração forte realizada naquela corrente  poderosa.Não deixava de ir nas quartas,domingos e sexta-feiras mas,a reunião da minha libertação seria naquela reunião e foi mesmo!
Quando menos esperei estava livre,liberto de toda tormenta,a sensação era de alívio e a certeza de que todo o sacrifício espiritual e perseverança na fé valeram a pena.Livre e liberto,precisava agora ter uma intimidade com Deus,pois,havia provado do seu poder e sabia por experiência própria que Ele era poderoso,mas eu precisava conhecê-lo,eu precisava me entregar de corpo,alma e espírito.Foi quando comecei a observar que o pastor "batia"forte sobre a salvação da alma,aquilo me incomodava,então,comecei a colocar toda minha força nas reuniões de quarta e domingo,que me revelaram uma coisa que guardo até hoje.Em uma das reuniões de quarta-feira á noite,foi feita uma pergunta em um dado momento da reunião,o então pastor Jadson,hoje Bispo Jadson Santos,levantou uma  questão..."Se você morrer hoje agora,para onde vai a sua alma!" e enfático ele mesmo responde..."Se você der óbito agora,a sua alma vai pro dono da sua alma,a minha resposta te faz outra pergunta,quem é o dono da sua alma?"

Aquelas palavras me causaram medo e aquele medo me mostrava que a minha alma não tinha Deus como Senhor,a minha inteligência me fazia entender que se Deus fosse o Senhor da minha alma,eu não sentiria medo e sim alegria,ao contrário do que eu sentia naquela momento,tristeza misturado com arrependimento.Quando foi feito o convite para ir até a frente do altar para aqueles que estivessem dispostos a entregar a vida ao Senhor Jesus,eu não esperei nem o pastor terminar de falar direito e corri, literalmente corria até o altar.Com os olhos fechados e o com o pensamento voltado pra Deus,eu me "rasguei"diante de Deus,parecia que estava só eu e Ele naquele lugar,não ouvia a voz de mais ninguém,a não ser a minha,roca e embargada voz.Eu chorava e soluçava bem baixinho,o meu choro doía muito,por isso,não chorava alto,o choro era espremido e sincero,como as palavras que pronunciava de frente daquela altar.

 "Deixa o Espírito Santo falar com você agora,você já falou,agora é com Ele"disse o pastor.Dessa forma,quando o pastor e toda a igreja ficou em silêncio,eu pude"ver",não com os meus olhos físicos,mas com uma visão diferente,mesmo com os olhos fechados eu enxerguei o que nunca pensei enxergar...Pensei em Jesus sofrendo por mim,sendo furado, transladado e consequentemente crucificado e morto,sem ao menos cometer um pecado se quer,ao contrário de mim,pecador e cheio de razões para justificar nunca ter pensado dessa forma.O choro cessou e a visão sumiu,eu ouvi uma voz,essa voz não era a do pastor,o mesmo, continuava em silêncio,mas uma voz que vinha de dentro de mim,suave,mansa e clara,nítida,que dizia assim"Eu sou o teu Deus,Eu te perdoei!.

Com palmas e agradecimentos de todos,o pastor encerrou aquela oração,todos voltaram ao lugar.Eu sai daquela reunião diferente,algo havia acontecido dentro de mim.

Continua....

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Foi Assim que Cheguei na IURD.Parte 2 de 7




"Coloque a mão no seu coração  e permaneça com os seus olhos fechados" foi o que disse o pastor em um dado momento da oração.Ele disse que se nós confiássemos em Deus naquele momento, sairíamos livres do todo peso,angústia e opressão.

Eu entrei ali sentindo tudo isso,a opressão era grande dentro de min,um peso,uma angústia que nem eu mesmo conseguia entender.Mas no momento da oração...eu falei com Deus e ele ouviu o meu grito de socorro,não audível,mas  profundo e silencioso,algo que só alguém poderoso poderia ouvir e entender.

A reunião parecia ter acabado muito rápido,ta certo que chegamos atrasados mas,foi como um relâmpago e  a última palavra que ouvi do pastor antes de ir embora foi"Não é por muito falar que Deus nos ouvirá,mas sim pela fé e sinceridade nos cumprimentos De Sua palavra".Aquelas últimas palavras ficaram gravadas em minha mente até hoje,a reunião tinha acabado e eu estava começando a minha caminhada na fé.

Sai dali leve,livre e com uma certeza muito grande de que tinha encontrado Deus,ora,Ele me ouviu e recebi dele o que procurava.Tinha paz,alegria que há muito tempo não tinha,parecia que havia provado algo que ninguém nunca provou e precisava mostrar isso pra todos que eu conhecia.Quando cheguei em casa,percebi   que a minha disposição era outra,não queria mais ficar trancado em casa,queria sair,andar,pular,sei lá...eu precisava ficar em movimento! mas não era um estado perturbador de quem não tem paz,ao contrário,eu só  queria  passar para as pessoas o que eu tinha recebido,porque eu sabia que muitas pessoas ao meu redor também eram tristes e que sorriam por sorrir,porque dentro delas havia algo que só elas e Deus  sabia que tinha que ser resolvido,eu precisava gritar....

E foi o que fiz, comecei a fazer as correntes de libertação na igreja sozinho,sem ninguém,minha irmã agora não estava mais comigo,eu tinha uma nova companhia que andava comigo de dia e de noite e até no meu deitar Ela era presente.A minha visão tinha se aberto,eu podia enxergar,enxergar o que o meu pai,minha mãe e aquelas pessoas que antes queriam me ajudar não conseguiam enxergar.Eu vi o meu problema diante de mim e partir pra cima dele com toda minha força...e o resultado foi avassalador!

A minha chegada na IURD não iria ser em vão,eu não sabia muita coisa,não entendia quase nada mas,de uma eu tinha certeza...eu não estava caminhando sozinho.

Continua... 

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Foi Assim que Cheguei na IURD.Parte 1 de 7.


Foi assim que cheguei na IURD do bairro do Brás em São Paulo,aos cacos e com um único pensamento"Eu não posso sair daqui da mesma maneira que  entrei."

E graças a Deus foi isso que aconteceu! eu ouvia falar muitas coisas negativas da IURD mas,a questão para mim naquele momento era a seguinte"Existe um Deus,esse Deus tem mudar essa situação!"Foi nessa fé que entrei na catedral do Brás e logo ao entra eu percebi que o "clima" ali era diferente,eu não sei o que era e o que tinha de diferente mas,aquela igreja não era como as outras e isso eu pude comprovar mais adiante.

A igreja estava lotada e eu havia acompanhado minha irmã Rosana de Oliveira naquele dia,minha irmã já era  firme e também antes de chegar a IURD tinha uma vida muito conturbada e cheia de dúvidas.Era um dia de quarta-feira,aproximadamente ás 15:15 da tarde,pois,quando chegamos o culto já havia começado e o pastor tinha convidado algumas pessoas a ir a frente do altar.

Me lembro como se fosse hoje,a mais ou menos 06 anos atrás.O pastor que realizava o culto eu não poderia esquecer o nome dele,porque também mais adiante abençoaria uma das áreas ou se não a mais importante depois da nossa salvação,a vida sentimental.Pastor Claudene Conte levava o culto com muita fé e disposição para abençoar aqueles que estavam ali presentes mas,no meu caso era mais do que ser abençoado,eu precisava ser livre daquele angústia e tormento dentro de mim,precisava de orientação...salvação...e não tinha tempo a perder,a IURD era a última porta que eu entraria como um "morto vivo" para sair dali definitivamente morto,ou,definitivamente vivo!


Continua...

sábado, 10 de novembro de 2012

Mais Uma Vez Arrebentou!!!


Em quase três horas, mais de 25 mil livros foram vendidos
Horas antes do Shopping Metrô Tatuapé, na zona leste de São Paulo, abrir as portas neste sábado (10), o movimento nas ruas da região já era intenso. Por volta das 7h, um grupo de cinco jovens vindos de Miguel Badra, bairro de Suzano, região metropolitana de São Paulo, já garantiam o primeiro lugar na fila para o lançamento do livro Nada a Perder, primeiro volume da biografia do bispo Edir Macedo. Jean Coelho de Carvalho, de 20 anos, era um deles.
— Sai de casa às 6h. Queria ser o primeiro! Valeu a pena!
Cerca de 27 mil pessoas lotaram a livraria Nobel do Shopping Metrô Tatuapé, na zona leste da cidade, para esta manhã de autógrafos. Além disso, 25.150 exemplares do livro foram vendidos, novo recorde nacional de vendas da obra que já é sucesso em todo o Brasil. O número supera as vendas da última terça-feira (6), em João Pessoa (PB), que chegou a 24.470. O lançamento no Tatuapé também ultrapassa a venda registrada em São Paulo no dia 1º de setembro, no primeiro lançamento na capital paulista, quando 3.200 livros foram vendidos e cerca de 8.000 pessoas passaram pela livraria Cultura da avenida Paulista.
Às 10h desta sábado, início do evento, as filas formadas por leitores que esperavam pelo autógrafo do coautor do livro Nada a Perder, Douglas Tavolaro, vice-presidente de jornalismo da Rede Record, dobravam o quarteirão. Além dele, distribuíram autógrafos ao público o representante da Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus), bispo Sidnei Marques, e os pastores Guilherme Henriques e Valdir Souza.
Sidnei Marques destacou a importância da obra.
— Mostra e prova que não há nada impossível. Quem ler o livro irá aprender o caminho do sucesso.
Jovens, crianças, mães com crianças de colo e famílias. Gente de todas as idades compareceram ao evento e era raro encontrar alguém com um único livro na mão. Muitos aguardavam na fila, ansiosos, com mais de um exemplar nos braços para garantir um presente especial para amigos e familiares.  Foi o que fez Maria Antônia, de 75 anos.
— Um é para o meu irmão e o outro para o meu filho.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Lamentavél!


Ex-obreira da IURD diz que os obreiros foram pressionados para conseguir votos.

Regiane Brito, ex-obreira da IURD - (Reprodução)
"Não tem que ter uma cabeça por trás de você pensando. Você tem cérebro. Você tem que usar ele, colocar ele para funcionar. Você não tem que ser um fantoche, uma marionete." Regiane Brito, ex-obreira da IURD.

Só posso lamentar e tentar entender o porquê que pessoas como essa ex-"obreira"tem esse tipo de comportamento...e agora,será q o mundo vai acolher ela como o Senhor Jesus á acolheu nos momentos que ela mais precisou.E se ela diz que se sentia manipulada,só agora depois de 9 anos concluiu isso...olha realmente Regiane eu tenho que concorda com você em uma coisa,você não pensa mesmo!

Depois dessa atitude ridícula de falar que nós obreiros somos manipulados,por favor né,como disse a amiga obreira no blog do bispo se tem um lugar onde somos levados a pensar e raciocinar é na IURD,quem sabe você não pense um pouco agora e reflita na idiotice que fez e volte para o Senhor Jesus enquanto é tempo,mas primeiro...se liberte é claro! 

Videos

Loading...
Ocorreu um erro neste gadget

PREVISÃO DO TEMPO